segunda-feira, 13 de março de 2017

Onda de frio e Nova York


Uma onda de frio no Estado de Nova York deixou uma casa completamente coberta de gelo.
O fotógrafo americano John Kucko registrou a cena nas margens do Lago Ontario. A casa foi coberta com água levada do lago pelos ventos gelados.
Com a queda da temperatura, o lugar transformou-se numa espécie de geleira.
Kucko disse que muitos de seus seguidores nas redes sociais se recusaram a crer que as imagens eram verdadeiras.
"Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas que acharam que eu espalhei espuma pela casa", afirmou. Ele decidiu publicar também um vídeo da casa como prova.
Ele encontrou a casa depois de receber a dica de um morador local e disse ter embarcado "na missão de encontrar o lugar antes do nascer do sol" para tirar suas fotos.
Um vendaval gélido atingiu o oeste de Nova York na semana passada e provocou uma queda na rede elétrica que deixou 200 mil pessoas sem luz. Na manhã desta segunda-feira, cerca de 8 mil pessoas continuavam nesta situação.
O serviço meteorológico dos EUA mantém o alerta de nevasca no Estado. Nesta segunda e na terça-feira espera-se entre 30 cm e 50 cm de neve na cidade de Nova York e em áreas próximas.
A casa fica de frente para o lago e teve todo o exterior molhado; até uma poltrona na varanda foi coberta de gelo (Foto: John Kucko)A casa fica de frente para o lago e teve todo o exterior molhado; até uma poltrona na varanda foi coberta de gelo (Foto: John Kucko)
A casa fica de frente para o lago e teve todo o exterior molhado; até uma poltrona na varanda foi coberta de gelo (Foto: John Kucko)
O alerta também abrange toda a costa leste do país, incluindo cidades como Boston e Washington.
A nevasca ocorre, no entanto, após uma semana com um clima ameno incomum para esta época do ano na região.
O último mês foi o segundo mês de fevereiro mais quente já registrado desde o início das medições, em 1895.
Fonte:G1

quarta-feira, 1 de março de 2017

Casal Obama publicará memórias


O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama e sua mulher, Michelle, assinaram um acordo editorial de valor recorde com a Penguin Random House, que prevê um livro de cada um - de acordo com um comunicado divulgado nesta terça-feira (28).
Segundo o jornal Financial Times, a editora, que não falou em números, teria oferecido mais de US$ 60 milhões para garantir os direitos de ambas as obras.
Se esse montante for confirmado, será um dos contratos mais lucrativos da história.
Em 2009, o autor americano de livros policiais James Patterson assinou um acordo que, segundo jornais e veículos especializados, chegava a US$ 150 milhões para uma série de 17 livros.
O antecessor de Barack Obama na Casa Branca, George W. Bush, recebeu cerca de US$ 10 milhões por suas memórias, segundo vários veículos.
Antes dele, o ex-presidente Bill Clinton levou US$ 15 milhões por sua autobiografia "Minha vida".
Barack Obama já publicou dois livros: "A origem dos meus sonhos" ("Dreams From My Father", 1995) e "A audácia da esperança" ("The Audacity of Hope", 2006). Cada um vendeu mais de três milhões de exemplares, apenas nos Estados Unidos.
Mesmo antes da publicação de seu próximo livro, o sucesso de suas primeiras duas obras já transformaram-no, de longe, no personagem político americano com melhor desempenho eleitoral.
Já Michelle Obama publicou "American Grown", um livro sobre jardinagem e alimentação em 2012.
fonte:G1

Pastor queima mulher em fogueira porque estava "possuída."


Uma "revelação divina" fez com que uma nicaraguense de 25 anos fosse amarrada e queimada viva numa fogueira para ser "curada" em uma suposta tentativa de exorcismo.
Vilma Trujillo, que sofreu queimaduras em 80% de seu corpo, não resistiu e morreu na terça-feira (28), depois de uma semana de agonia.
A morte da jovem comoveu a Nicarágua. De acordo com a Polícia Nacional do país, a mulher foi levada para "uma oração de cura", no dia 15 de fevereiro, a um templo da igreja evangélica Visão Celestial das Assembleias de Deus, em El Cortezal, no noroeste do país.
Vilma Trujillo teve os pés e mãos amarrados e ficou sob a supervisão do pastor da igreja, identificado por autoridades locais como Juan Gregorio Rocha - homem que a Assembleia de Deus nega reconhecer como pastor.
Seis dias depois, em 21 de fevereiro, depois da meia-noite, Trujillo foi queimada na fogueira.
Segundo a Polícia Nacional, a diaconisa da igreja, Esneyda del Socorro Orozco, havia ordenado que "por revelação divina, deveria ser feita uma fogueira no pátio do templo para curar a vítima por meio do fogo".
Vilma Trujillo teria, então, sido lançada ao fogo com pés e mãos amarrados. A jovem sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus em 80% do corpo e, apesar de ter sido levada a um hospital em Manágua, a capital, acabou falecendo.

'Foi bruxaria'

O marido da vítima, Reynaldo Peralta, afirmou que Vilma Trujillo, mãe de duas crianças, foi levada à força pelos integrantes da igreja. Eles a acusavam de ter tentado atacar pessoas com um facão.
Para Peralta, a mulher não estava "possuída pelo demônio", mas havia sido vítima de um ato de "bruxaria".
"Ela tomava um remédio dado por um homem que, pelo que fiquei sabendo agora da família dela, a havia estuprado. Desde que começou a tomar o remédio, mudou um pouco comigo", disse o marido ao jornal "La Prensa".
Em sua defesa, Gregorio Rocha afirmou ao mesmo jornal que Trujillo caiu no fogo quando "o espírito do demônio saiu do corpo dela". Ele negou que alguém a tenha jogado na fogueira.

Cinco detidos

Até o momento, cinco pessoas já foram detidas por suspeita de terem participado do crime, entre eles o pastor Gregório Rocha e a diaconisa Esneyda Orozco.
A morte de Vilma Trujillo causou comoção na Nicarágua, onde a proporção de católicos vem caindo há 20 anos - hoje são menos de 50% da população, enquanto que os evangélicos chegam a quase 40%.
O porta-voz da Comissão de Direitos Humanos da Nicarágua, Pablo Cuevas, pediu ao governo um controle mais firme dos grupos religiosos no país.
"É impressionante que, neste momento, isso aconteça. As autoridades precisam avaliar diferentes denominações e religiões. Não podemos deixar acontecer coisas como essas", afirmou Cuevas.
A vice-presidente da Nicarágua, Rosario Murillo, lamentou a morte a morte da jovem e disse que o episódio é "condenável".
"Com certeza reflete uma situação de atraso. É realmente lamentável, uma irmã sendo martirizada pelos membros de sua comunidade. É algo que não pode, não deve se repetir", disse Murillo à mídia local.
fonte:BBC